8 de junho de 2009

Epílogo... Divagações de um corpo desalmado, a carta

Se a carta que um dia lhe escrevi, chegar em suas mãos... Peço que não abra, apenas guarde essa ilusão...

Alguns podiam definir como obsessão. A busca pelo prazer desenfreado, guiado por um sentimento de loucura, uma pobre e mal-amada criatura “desalmada” que desafia os limites em meio a crises existenciais. Há quem diga que não passa de um desejo, entrelaçado pela magia e envolto a sedução, em torno das mais profanas fantasias, o mistério de quimeras cercado pelo carma da paixão, do anônimo a um tipo de chama abstrata que irradia uma dor diferente e quem sabe até, inexistente.

Como um espasmo mental, atrelado ao sentido de alternidade, uma dicotomia reacionária, um estado linear e homogêneo por seu paradoxo maravilhosamente ambíguo, processo real de hipertrofia sentimental, pragmatismo do sentimento ilusório, na proteção guiada por um desejo animal, os circuitos pegam fogo, e deles jorra o sangue a toma conta de todo o ser. Quem sabe até, um mero mortal, apenas um alguém tentando exprimir aquelas emoções que estrangulam a garganta e que podem ser provocadas pelo desespero ou por um algum tipo de sentimentalismo piegas.

Recordo aquele jargão, o “sol nasce para todos”, na verdade não apenas o sol, a lua também bate a cada dia na janela do seu quarto, o satélite da terra em meio a toda sua escuridão. Agora são mais de meia noite. Nós estamos tão longe, tenho uma certeza, onde quer que esteja, também pode ver essa lua, que nos remete a uma artificial sensação, agora já não parece que nossa distancia é tão longínqua, tudo depende do modo como se vê as coisas, entende? Nos corredores do silêncio, os raios lunares ligam nossas almas, ainda presas as sete moradas, onde estiver sinto suas vibrações. Essas luzes tornam o contato mais intenso. Olhando para os lados, continuo a te ver e penso qual a melhor forma de dizer eu te amo? Algum elemento é suficiente para lhe fazer amar?

Durante essas noites, pego-me sonhando e pensando em você, a fenecer ao frio e faço de minha saudade o cobertor, uma esperança que brota e só poderia vir do luar. Logo posso avistar seu sorriso, seu medo de voltar para casa à noite, e me vejo recebendo o beijo frio em minha boca, beijo de uma deusa morta, filha de algum deus morto, fêmea língua gelada, gelada como o nada.. Já não consigo mais sentir seu peso sobre outros corpos, seu cheiro através de outras colônias, as lágrimas conjuram em rios de sangue a afogar o sentimento que se reproduz, presos a maldição espiritual. Sim...Eu poderia em cada quarto rever a mobília, matar aquele maldito membro da sua família, mas prefiro esperar e atingir a plenitude, até que a morte coincida um dia.

Minha vida também vai seguindo nesse amargor de sofrimento, o mundo caminha evolutivamente e desgraçadamente e nós somos apenas uma peça nesse meio, um personagem principal entre milhares de novelas e a maravilha é tentar ser feliz sempre, porque estarei confinado a sofrer pela eterna desventura de lhe querer, porque entre tantas diferenciações, ninguém é igual a ninguém, mas somos todos muito parecidos quando amamos e sentirmos dor! Apenas me sinto feliz quando lembro de você, seus dedos ainda tocam o meu pensar, como se acariciasse a minha alma.



A esparramar meus sentimentos, vejo-me tentando lhe trazer de volta nessas divagações, sei que não vai me esquecer, escute minha paixão, tudo sempre muda, menos o que sinto por você. Já me decidi, não quero outra vez, toda essa disputa é a arma do carma chinês. A chuva vai molhando o chão, fazendo a vida recomeçar, assim que o dia raiar, a luz enfim brilhará e logo quando o sol se por, a escuridão voltará e enfim estaremos juntos, nos meus sonhos, preso a um punhado de estrelas no infinito, tão distantes que a morte não virá nos encontrar.

Uma liberdade incrível, livre e tranquilamente em branca paz, aliás o futuro é isso, basta seguir sempre por suas pegadas, buscando algo maior, quem sabe a figura de um deus. Sinto como se existisse alguma coisa além de nós, maior e mais forte que nos ajuda em nossa realização como pessoas humanas, uma imagem do paraíso, um mundo em preto e branco, “repleto de nuvenzinhas”, onde se pode pular de uma para outra. O futuro é lindo, imenso, branco e seu caminho nunca tem fim. E num milagre supremo, com afinco de Deus, fará nesse céu eu lhe encontrar, essa dádiva vai ficar pra sempre em nossos corações, nada será como antes... Vamos nos encontrar, devasse lentamente todos os grãos de meu corpo e alma desalmada...

20 Coveiros:

Flor disse...

Coisa morbida, mas tah bom

Anônimo disse...

Gostei

Guilherme SanPer disse...

blog obscuro hehe, confesso que o titulo até me deu medo :p
mas os textos sao legais

Wander Veroni disse...

Puxa vida! Parece uma carta de alguém pretende cometer suicídio. O texto é muito bem feito e consegue passar esse saudosismo em tom de despedida do personagem.

Abraço

Daniel disse...

O texto passa sentimentos e arrepios uhuhuhuh U.U
Coisa morbida ² ahaha
gostei
http://www.fiquerelax.blogspot.com/

amandaedalete disse...

"...para todas aquelas almas perdidas que deixaram de acreditar na imensidão do amor!!!"

Pedro Bittencourt(Gandalf) disse...

Cara deu medo...mais ótimo texto,adorei.O cara vai se parece que vai se matar ;D

Viviane Righi disse...

Por incrível que pareça, a partir do trecho “o sol nasce para todos”, lembrei-me muito do Renato Russo em uma canção que diz isso...

Não achei nada mórbido ou que transmitisse medo, como disseram acima.

Seu texto não deixa de ser uma poesia...

Abraços!

http://deixafluir.wordpress.com/
http://fluindolhar.blogspot.com/

PanPum Flûor disse...

carambam muito bom!

adorei o texto, fantastico!

parabenz pelo blog

Zone Core disse...

Sem noção.

Muito bom esse texto. Parabéns!

CAC disse...

Gostei do texto ele é estranho por palavras estranhas mas muito criativo e vc sabe usar as palavras exatas, legal seu blog um abraço que Deus te ilumine.

planetadablogueira disse...

O texto é bem legal, você tem talento, e eu desejo sucesso!!

Daniel Silva disse...

Muito bom o texto!

Gleica disse...

então..

não entendo muito, essas coisas são complexas ashaishahsa³

mas realmente parece uma carta de alguém pretende cometer suicídio [2]

beijos <3

Guiovan Coimbra de Oliveira disse...

otimo texto gosto de textos que fazem se sentir a dor e a ausencia de felicidade todos eles são belos pois a beleza não estar só na alegria!!! e na tristeza onde mais ela se mostra!!!
parabens pelo seu blogger!!!!

Mateus disse...

a melhor forma de vencer a morte é com ela brincar, nem que seja por meio de palavras.
não sei se consigo essa proeza.
abraço!

morethanwords3 disse...

Eh meio horripilante o post com algumas coisas
bem morbidas, mas ainda assim prendeu minha atençao!

Gostei

Parabens

Bruno de matos disse...

confesso que,agora,não tenho tempo pra ler tudo,no entanto posso dizer que,pelo que li,teus textos são muito bem elaborados e que tens grande dominio sobre as palavras.

www.conversacommeusbotoes.blogspot.com

Ca . disse...

obscuro, porém encantador!

www.alternativa-vida.blogspot.com

Rafa Floribela disse...

Esse post fez sucesso em rafa?

Postar um comentário

________________________________________________________
Obrigado por visitar o nosso Cemitério...
Volte logo, haverá sempre uma tumba bem quente disponível para você...
________________________________________________________