13 de novembro de 2009

Antítese do fim

Antítese do fim

Sou dono dos meus próprios sonhos
E da dor de minha intensa saudades.
De todos os risos, lágrimas
E principalmente ilusões...


São minhas as buscas
Inconseqüentes,
Esse desejo arriscado e atrevido
Infâmia...

São eternas minúcias
De entregas e fugas,
De amores
Que se foram
Ou que sequer chegaram
Sequer por acaso.

Também sou dono de ganhos
E perdas...
De encontros
Que se perderam
Sem tempo para despedidas...

Pensamentos (sempre surtos)
Insones,
Porém meus...

Agora apenas versos...
De mim.

4 Coveiros:

Lara Veiga disse...

Um dos poemas mais lindos seus que já li, lindo mesmo!

Rafa Flori disse...

Tb acho, lindo d+ o poema Rafa

Mr.Orange disse...

Adriano M B

Adorei o blog!Ótimos textos e poemas!
Gostaria de fazer parceria?
QUando puder entre :
www.queletra.blogspot.com

Parabéns pelo trabalho!

ΞĐU ΛRĐO disse...

Parabéns pelo belo Blog.
Abraços,
Edu

Postar um comentário

________________________________________________________
Obrigado por visitar o nosso Cemitério...
Volte logo, haverá sempre uma tumba bem quente disponível para você...
________________________________________________________