15 de julho de 2009

Anos 80... Uma música, a nostalgia de uma saudade

Uma CANÇÃO que retrata minha trajetória nos Anos 80: “Você vai de carro pra escola e eu só vou a pé”


“Eu pensei a vida não presta ela não gosta de mim”

Dramas adolescentes, aquele tipo de sensação bem característica como a leve e intensa sensação de carregar o mundo nas costas, aliada sempre à dor do desprezo, um imenso vazio que germina na alma... Algumas vezes uma simples música, mais do que servir de consolo, traz as respostas em meio a tamanhos anseios.

Muitos dirão que sou completamente insano e me utilizo de argumentações um tantinho infundadas também! Isso por afirmar que é mais difícil ser criança ou adolescente do que posteriormente aderir à fase adulta, mesmo em meio a todas as responsabilidades intrínsecas no mundo amadurecido, totalmente clarividente e desprovido da tal ingenuidade. Ainda assim é um mundo mais concreto e linear, enquanto o período antecessor se apresenta como um ocioso universo paralelamente ambíguo, real, misto, psicodélico e condensado a fantasias, às vezes sanguinolentas, repleto de indecisões , dúvidas que permeiam, verdadeiros “aborrecentes” como diriam as mães.
Certamente e sem medo de errar, afirmo que foi a pior fase de minha existência e talvez a que sinta maior saudade, nostalgia sem fim que invade a mente e corrompe a alma em algumas noites e todo esse punhado de lembrança está diretamente atrelado a uma simples poesia cantada, que ajudou a romper o pragmatismo fogoso, obsoletos paradigmas impetuosos, maldade solta pelo ar, com aquela perspicácia exacerbada, a liberar um grito inconsciente que emerge sem cessar, na inconstante busca por respostas e eis que uma simples canção, mais do que retratar esse enredo fatídico, pode trazer as respostas que tanto se carece.

“Você vai de carro pra escola/e eu só vou a pé/ você tem amigos à beça/ e eu só tenho o Zé...”



Não há qualquer demasia em assegurar que Léo Jaime talvez tenha sido o compositor que, com suas letras simplórias, na proposta de um texto coeso e direto, melhor tenha abordado as verdadeiras agruras das minhas e outras tantas adolescências, dentro de uma unidade temática que exalta os conflitos daquela geração anos 80. Basta ouvir Leo a entoar os versos da canção “A vida não Presta” para o imediatismo remeter a um garoto matriculado em um colégio particular, durante boa parte da década. O garoto em questão é esse mesmo que se apresenta como humilde escriba. Tanto naquela época quanto hoje não distinguia como grande conquistador, para ser bastante honesto, passava, aliás, consideravelmente longe disso.


Antes de prosseguir, sou obrigado a me defender por mero inoportuno. Não me caracterizava e tão pouco fui incluído entre os mais feios. Embora nenhuma delas jamais me elegeu para figurar entre os bonitões do colégio. Apesar das medidas ligeiramente avantajadas, também como se diz popularmente não era de se jogar fora e até reunia algumas características que, teoricamente, poderiam chamar a atenção das espevitadas e sempre regurgitadas meninas. Meus olhos admiram só de lembrar, loiras, morenas, magras ou gordas, algumas um tanto altas, outras baixas também, ufa!, como todo bom rapaz, ficava aturdido por toda saúde da estereotipia feminina.

Meu perfil englobava necessariamente um clichê mais espirituoso, certas horas pessimista, fugas, prepotente e levemente arrogante. Costumava marcar meus pontos na hora dos debates em sala, não pelo conhecimento aliada a inteligência e sim pela visão soturna das coisas. Coisa essa de quem já tinha o futuro escrito, estava mesmo fadado a ser jornalista: adorava dar meus palpites em tudo, às vezes sem saber ou entender necessariamente de nada. Muito questionador, sempre odiei os repetitivos temas de redação, desde quando nasci já andava com o saco cheio de - ano após ano -escrever sobre as férias.

Hoje, vejo-me com a súbita ânsia do desejo de por um mero instante voltar ao tempo e escrever no lugar daqueles escritos infames uma dissertação sobre essa música e sua influência nesse período da minha história. Não existe ainda uma forma de retomar o passado, então aqui estou a fazer o que devia ter tentado há uns 15 anos. Até consigo traçar o perfil da tal obra, na verdade uma ficção dramatizada com ecos de veracidade, imprimindo minha decadente visão precocemente apaixonada pela vida a respeito de minhas frustrações, chacina adolescente que culminava minha alma, repleta de supostos predicativos como subversivo, espirituoso e com uma pseudo-inteligência dotada da infâmia de se viver, mesmo que utilizando “os meus poderes para o mal”.


“Eu pensei a vida não presta/Ela não gosta de mim”. As musas se sucediam e passavam há ocupar cada dia mais espaço nos pensamentos do garoto timidamente inocente, aventurando-se por um mundo novo, a romper os muros dos labirintos da conquista, convivendo sempre com a iminente ameaça da derrota...Pedia aos ventos para te soprar meu beijo e te contar que te amo, você é simplesmente o meu maior desejo. Os intervalos do colégio era o momento perfeito para interagir, dedicar-me a amores imperfeitos, o possível deveramente improvável, dentro de uma lógica completamente ilógica, complexo despautério atormentando cada segundo existente, até nos dias e horas mais impróprias... ”Quantas noites em claro eu passei, tentando te esquecer. Quando à noite eu consigo dormir, eu sonho é com você...A me dizer: Prá não ter ilusões que entre nós não pode ser E é mesmo assim Nem mesmo no meu SONHO Eu posso ter você prá MIM...”, a retratação veemente!


Apesar disso, nem tudo era feito apenas de derrotas, às vezes a pessoa certa - bem ao senso comum – podia estar bem ao seu lado, bem imperceptível, no entanto lutando para ser vista não sendo sempre necessário escalar o castelo de greiscow ou pendurar uma melancia na cabeça para conquistar um mínimo de atenção... Isso ocorreu naquela espécie de encontro arranjado, dentro de um cenário essencialmente brega, que servia de pano de fundo para as minhas desventuras no mundo da conquista. Até que, embalado pela empolgação de um amigo – doido para conquistar a amiga da gatinha – eu a convidei para um cineminha em uma tarde qualquer – tenho a menor ideia quanto à data.

Um detalhe impertinente, o tal amigo bancou os ingressos. Ela era uma garota qualquer, conversávamos sempre nos intervalos, feinha com aquele óculos enorme e a cara cheia de sardas... Não sei se eram meus olhos ou a ânsia de finalmente me “dar bem”, a garota parecia irresistível naquela tarde, o patinho feio tomou forma de ave fênix e fez sua beleza resplandecer do lado escuro de sua horripilância, oferecendo lugar a uma figura atraente, repleta de atrativos e talvez até muito mais ousada.

No Cine vazio, poucas palavras, um atípico jogo com jeito de 0 a 0 até que, lá pelos 40 minutos do segundo tempo de uma batalha modorrenta, resolvi tomar uma atitude hiper ousada. Posicionei-me estrategicamente e pousei a mão espalmada em um dos lugares da moça que mais me chamavam a atenção, vocês até já imaginam o qual, certo? A esperada bofetada finalmente... não aconteceu! Lembro bem, a euforia só não foi total porque, cinco ou dez minutos depois, notara que segurava, com todo o carinho do mundo, suas delicadas mãos. Olho para o lado e vejo que o amigo, que chegara ao cinema como franco-atirador, completamente atracado à morena, sucumbidos a uma louca vontade de arrancar pedaços um do outro. Isso até me serviu de inspiração, enchendo os brios e enfim uma tentativa, logo um beijo aconteceu. Ainda lembro de passar pelo constrangimento de ouvir: “Pensei que não ia tentar nunca”.

Com as garotas, nenhuma mudança radical mas, “A vida não Presta” de Leo Jaime gera o perfeito tom da minha discrepante biografia amorosa. É realmente tenebroso sentir novamente a força dos hormônios não aproveitados. Uma lágrima na escuridão, hoje perdida, mas que ainda insiste em escorrer pela face, trazendo dor e lamento, exorcizando demônios, pesadelos da infância, onde se concentra a dor do meu mundo. Não foram poucos os que disseram que o amor sempre nos leva a algum lugar...Apenas devo confessar que dá saudade lembrar de uma época em que um beijo no cinema representava uma grande conquista pessoal, uma verdadeira epopeia de dramaticidade juvenil, que ainda seduz e eternamente me encanta, mesmo que a VIDA não preste e ela não goste de MIM.

40 Coveiros:

Lara Veiga disse...

Noissa que texto lindooooooo

Tiago Dadazio disse...

cara
que locooo

Adriano Viana disse...

Muito bom! Valeu pelo clipe muito bom!! Abraço!!

FAGGH® disse...

eu curti os anos 80 ..muito bacana ! ahhuauha
toh veio!
ahuuhahua
abrç

Nat Tigres brancos disse...

Maravilha de texto mas eu não posso falar muito não conheço muitas muiscas dos anos 80

Paula Febbe disse...

Gosto muito do grunge e acho que ele traz um pouco desse anti-heroísmo.
O problema é que o que era "tirar uma" da própria desgraça nos anos 80 e 90, acabou virando o emo, que é sentir dó de si mesmo e não fazer nada contra isso.
O "Anti-herói" de ontem é o "bunda-mole" de hoje...
Precisamos urgentemente de novos "anti-heróis".

Erica Narjara disse...

Maravilhoso!!! BeijOs..

Rosangela A. Santos disse...

Eu não seou bem dessa epoca um pouco depois .. mais .. ou menos .. mas cuti muito as musicas sitada e senti e ainda penso nas coisas que fiz e que não fiz .. como fui boiinha .. etc.. fazer oq?? tudo isso faz parte de uma evolução nossa!! rsrs

Abç

War Inside My Head disse...

MUITO BOM O TEXTO

Felipe disse...

Voce escreve bem , ótimo texto e legal o ponto de vista.

Ronaldo disse...

Cara, que texto fantastico.

Quando vi que era a musica do Léo pensei "caraca, faz tempo que não ouço essa musica" e me lembrei de como a "interpretava" ao ir para a escola, a tal menina que gostava ia de carro, eu ia a pé, mas não com o Zé e por ai vai.

E realmente o que tu escreveu é a real, é de um colegio particular, alguem meio que tem grana e por ai vai.

Tenho um blog que interpreto frases de musicas, depois passe la

abs

Edilaine disse...

Eu adorei... reamente nos trazem mtas lembranças...

. disse...

Muito bom e interessante o seu blog!
Parabéns!

Acesse o nosso blog e deixe sua opinião:

http://esporteporminuto.blogspot.com

Abraço.

*Teta de Nêga* disse...

Adorei o blog!!!

Nostalgia total!!!

Rafa Flori disse...

rafa que texto lindooooooo

Vivendo deixando a vida me levar... disse...

Nao o acho insano, acho tb que a musica embala a vida, os momentos e muitas atitudes ate!!! Sou insana tb?!?!

rsss bjuuuuuss=^.^=

P.S. estou com votação de novo layout, se puder apareça no blog!!

Mimi disse...

nasci no meio do ano 80 e ainda consegui ver, mesmo que dpeois, muitas coisas da Época, Leo Jaime e essa musica marcou uma geração que hoje so vive de saudades e nostalgia, é sempre bom relembrar.

bjos

Lucas dos Santos disse...

Texto da hora cara!!!

Como eu queria ter vivido os anos 80...

Abraço!

inculturapop disse...

Hehehehe... Você estava falando de sua juventude ou da minha? A minha foi nos anos 90 e com os mesmos dramas que você delineou acima. Isso só me faz pensar que os seres humanos são muito parecidos. Procure por "Every Day Normal Guy legendado" no YouTube, é muito engraçado.

Tiago Camilotti disse...

Nasci em 86 mas deu pra curtir um restinho desses tempos. Gostaria de ter vivido mais desses anos.

legal

Rosane disse...

Eu adoro música e concordo plenamente com você, às vezes nelas encontramos respostas que nunca poderíamos imaginar que eram tão simples. Mas nem gosto muito de Léo, dos anos 80 adoro MESMO é Kid Abelha e Titãs.

Onaldo disse...

Uma música que toca a alma reria o nosso mundo e nos faz de novo!

maands disse...

muuuuuito bom o texto e seu blog!! adoreei!
sucesso!

grazy dos santos. disse...

a infância e a adolescência são fases maravilhosas na vida, por vezes duras sim, mesmo que muitos se esqueçam disso depois.. mas nossa base é construida ali, e tudo depende das experiências vividas e das companhias adquiridas.

e sei lá, na verdade acho que o que não cala não são as respostas, mas sim as perguntas!

e como já dizia Fernanda Takai "as brigas que ganhei nenhum troféu como lembrança pra casa eu levei, as brigas que perdi, essas sim, eu nunca esqueci".

;*

Wallace Trovao disse...

Com certeza é um texto q te faz pensar

Tiago Dadazio disse...

CARA
EMBRAÇADO ISSO!

Daniel Silva disse...

muito bom! tu escreve pra caramba.

abraço

Anônimo disse...

Caloteiro de uma figa

Tiago Coimbra disse...

muito bom...gostei bastante..

Carina disse...

Muito legal o seu texto, bem colocado com as pelavras que parecem ser soltas ao vento!

Gúh! disse...

Eu logo vi o título e pensei que seria um texto, na verdade é outro, com outro ritmo, mas perfeito.

A musica resumi tudo !

RR disse...

, *----* , ADORO ANOS 80 . Voc tem futuro mew, amei seu blog com certeza o meu favorito

Daniel Remondini Filho disse...

Muito bom mesmo. Eu sempre digo que nasci na época errada, ou talvez não. Bom isso eu já não sei. Mas parece que as coisas eram mais intensas na época, hoje, nem tanto.
O ritmo, o ritmo sim sou fã pra caramba, muito melhor que hardcore desses emos de hoje.

Parabéns

Beeb disse...

nossa.
tinha feito um post sobre isso \o\ O.O

:*

. disse...

A discografia dos Anos 80 é FANTÁSTICA, sem dúvida! =]

Acesse o nosso blog e deixe sua opinião:

http://esporteporminuto.blogspot.com

Abraço.

Luan disse...

anos 80 - rei do pop

tdagora disse...

lindoo! Adorei! Eu sou totalmente cria dos anos 80. hahaha

S. disse...

queria ter vivido nos anos 80 =/

Humberto Deveza disse...

Seu louco... bom post como sempre. Texto perfeitamente encaixado ao estilo dos outros, o estilo seu.

Alexandre Magno disse...

Grande Rafha, quantas elocubrações... Uma viagem ao inconsciente, mais precisamente a nossa consolidação da fase adulta por meio das vivências da adolescência... Um momento onde o ser imortal deixa a palafita, com seus medos, tabus e conquistas. A música exprime com muita singeleza tudo isto. E vejo pelo caleidoscópio mental todas essas fases as quais a maior parte de nós vivenciara... As lágrimas que o digam. Pareces que fizestes uso de uma espécie de máquina copista, cujas impressões toca a mente e o coração de muitos que presenciaram está época de ouro. O filme de outrora, na atualidade,isto é, anos depois,é visto sem cortes por todos os seus personagens. Quanta coisa! Basta o bisturi da sentimentalidade e da racionalidade para penetrar na letra de uma música e fazer toda essa reviravolta no pensamento humano. Nada obstante, a vida não presta, mas continuamos tentando, até que ela se torne bela.

Postar um comentário

________________________________________________________
Obrigado por visitar o nosso Cemitério...
Volte logo, haverá sempre uma tumba bem quente disponível para você...
________________________________________________________