28 de junho de 2010

Por trás do horror do Halloween - A Origem



Bruxas com gargalhadas estridentes, morcegos por todos os lados, mortos que levantam das tumbas referendando todo o clima de terror. Essa é a típica atmosfera do halloween, um festival comum aos países de origem britânica, principalmente Irlanda, Inglaterra e Estados Unidos, exatamente no dia 31 de outubro. Já faz alguns anos que o Brasil importou uma das principais comemorações americana. A festa a cada ano atinge maior proporção e esse crescimento se deve primeiramente as escolas de idioma, e alguns colégios brasileiros que celebram o dia das bruxas, sobretudo no ensino infantil, com direito a fantasia de vampiros, fantasmas e outros monstros. Inclusive inúmeras lojas aproveitam o halloween como uma onda crescente utilizando o tema para decoração de vitrines.

Toda história tem um começo ...

O que poucos sabem é que o festival em suas origens, pouco tem a ver com monstros, filmes de horror e todos os seus similares. Os estudiosos apontam que a comemoração tem procedência centrada no antigo festival Celtairlandês, escocês e galês – após a colheita, intitulado de Samhain, uma época que as pessoas acreditavam que os espíritos dos mortos vagavam pela terra.Reza a lenda que os Celtas, durante a era pré-cristã, adotavam crenças e práticas druídicas para comemorar o término do verão e o último dia do ano. O dilema era mais ou menos o seguinte: a intensidade do sol gradativamente diminua com o começo do inverso. As pessoas automaticamente associavam esse fenômeno a uma espécie de processo de esvanecimento da vida e não só o ano chegaria ao fim. É bem plausível deduzir que imaginavam a noite assombrada por espectros e bruxas e, mas particularmente, pelos espíritos dos mortos a visitar os lares terrenos onde haviam morado.

Devido à profusão de ideias sobrenaturais, a noite não só era considerada perigosa, como também anunciava presságios. Preocupadas com sua sobrevivência, pessoas empregaram todos os meios possíveis para aumentar as chamas do sol, uma tentativa de ao menos, pacificar a fúria dos espíritos malignos. A esse propósito, além de acender fogueiras, chegavam a realizar verdadeiros sacrifícios bizarros.

No entanto, onde está estabelecida a relação entre Samhain e Hallowen? Começando com o ano-novo celta que tradicionalmente ocorria em 1º de novembro, é também o início do ano para as bruxas Wicca. Também é imprescindível ressaltar que o festival de Samhain estava estritamente relacionado com a estação do ano: época de colheitas e que as criações de animais eram trazidas de volta das pastagens mais afastadas. Tudo isso porque tanto a colheita quanto as criações se faziam necessárias para superar o duro período do inverno que estava por vir. A população acreditava que tudo que era vulnerável, deveria ser protegido e uma vez que não estivesse recebendo a devida proteção, provavelmente seria vitimado pelas forças da natureza.Os portões que separam o mundo dos vivos e dos mortos estavam abertos – pelo menos é nisso que acreditavam. A barreira entre os dois mundos se diluía e as almas entravam novamente no universo que um dia também lhe pertenceu. No Samhain as fogueiras eram acessas muito mais do que para mantê-los afastados e sim para iluminar o caminho daqueles que vagavam. Dessa ótica, a crença dos espíritos que divagavam, surgiu também o hábito de preparar comidas especiais e mais que isso, vestir-se como essas figuras ou animais selvagens. Foram todos hábitos amplamente difundidos na Irlanda antiga.

...Inclusive no Halloween dos tempos atuais

Muitas crenças e costumes associados ao Samhain – particularmente a noite das almas que perambulavam, o uso de fantasias e acender fogueiras – continuaram a ser praticado em 31 de outubro. Com o advento do Cristianismo , durante o passar dos anos, o halloween sofreu o que pode ser caracterizado como um processo de reinterpretação para que lhe fosse atribuído novos significados. De certo modo, significados mais simplórios e inocentes, quase atingindo o extremo oposto, a despeito das noites de terror que assolavam as comemorações festivas.

O halloween nos tempos atuais ainda é um dos festivais mais importantes do ano em muitos países. Muitas vezes são precedidos pela semana em que as crianças vão de casa em casa fantasiadas de preto ou usando máscaras ou ainda com outro tipo de fantasia, carregando morangos com lanternas e pedindo dinheiro, frutas ou nozes, entoando sempre um cântico em coro. O halloween é conhecido na América do Norte desde a época colonial. Entretanto, após os colonizadores irlandeses trazerem seus costumes do halloween para a América em 1840, é que o festival começou a se fixar popularmente. Por volta da metade do século XX, tornou-se basicamente um feriado infantil. Foi no final da década de 70 que ocorreu o grande ressurgimento das atividades entre os adultos, a ponto de após uma década eclodir como feriado nacional muito comercial.Mais de 50 milhões de americanos celebram o halloween, sendo que entre os adultos, pessoas entre 20 e 30 anos são mais propensos a festejá-lo. Até hoje, tradicionalmente as cores que predominam são o preto e o laranja que costumavam ser as favoritas nas festividades, conquanto hoje, passaram a dividir espaço com o roxo e o verde, quem sabe até mais usadas.

Gostosuras ou travessuras?

Existem diversas hipóteses quanto ao transcurso da brincadeira “gostosuras ou travessuras”. Alguns relatos dizem conta que surgiu na Irlanda há centenas de anos. A prática que se pode denominar como ato inicial, envolvia um seleto grupo de fazendeiros que percorriam todas as casas arrecadando comida para serem servidas nas festividades de ano novo do vilarejo, em homenagem aos deuses antigos que cultuavam. As pessoas que colaboravam com donativos, seria “prometida” uma espécie de sorte e quanto aos que não contribuíam, o discurso era um tanto mais fervoroso, sendo vítimas de constantes ameaças.

O segundo ato se estabelece como uma espécie de resposta á ação dos espíritos malignos. Os jovens formavam fogueiras enormes e o brilho das chamas, juntamente as labaredas que se formavam e percorriam os ventos, acalentava que as pessoas da cidade colocassem do lado de fora doces e comidas saborosas, uma forma de rogar aos espíritos que fossem embora, forma também de devastar todo o mal que os obsidiava. No instante que as chamas feneciam, os jovens desciam para a cidade, colhiam as inúmeras oferendas para em seguida se por a correr desenfreadamente. Caso não obtivessem ofertas, davam início ao seu jogo favorito, pregar peças nos habitantes do vilarejo. Esse ato que simboliza nada mais que uma farsa, era alimentada pelo alto número de moradores supersticiosos. Eles acreditavam que as almas maléficas poderiam adentrar suas casas, azedando o leite, matando gado, envenenando poços d’áqua ou mesmo corrompendo suas almas.

A terceira e última prática tem relação com uma tradição mais diferenciada. Na antiguidade, pessoas usavam um espécime de indumento assustador ou togas negras, e se embrenhavam pela escuridão da noite de halloween pedindo pelas almas. Em gratulação as ofertas acolhidas, eles ofereciam orações ou jejuavam pelas avantesmas perdidas, que, conforme a crença cobria de benevolência os doadores. Aqueles que se mostravam resistentes ou insensíveis aos pedidos, fatalmente seriam assombrados pelos espectros dos mortos negligenciados.Vale ressaltar também que a ação de reclamar por doces como forma de conter travessuras, relacionada ao halloween é um fenômeno dos tempos modernos que teve início na década de 1930. Inclusive sendo vista hoje como uma atividade potencialmente perigosa.

Fantasias e Abóboras Sorridentes

Na celebração atual do Halloween, é possível notar a presença de muitos elementos pagãos. As fantasias, enfeites e outros itens comercializados por ocasião do festival estão repletos de abóboras, bruxas, gatos pretos, vampiros, morcegos, fantasmas e toda espécie de monstros aterrorizantes, que às vezes para muitos chegam a ter conotações verdadeiramente satânicas. Os registros de origem mais remota do uso de fantasias no halloween remetem a época dos druidas. Na tarde de 31 de outubro, acendiam-se fogueiras enormes para oferecer animais, partes da colheita e, às vezes até, beirando a sandice, ocorriam sacrifícios humanos em intenção do deus do sol e para samhain, deus da morte.

Durante esses rituais, participantes usavam indumentárias confeccionadas com pele e cabeça de animais. A interação era forte, todos pulavam, brincavam e corriam sobre as chamas. Essa era a única maneira “descoberta” para “assustar” os espíritos malignos. Tudo fazia parte de uma crença druida que, as vésperas do ano novo celta, que caía em 1° de novembro, o deus da morte poderia clamar pelas essências de malignidade dos que haviam partido nesses doze meses que antecediam as comemorações. Reza a lenta que tais almas penadas poderiam ser enviadas para atacar a população, a vésperas da celebração em novembro. Portanto, o único meio de escapar, não sucumbido a danação, seria recorrer aos disfarces, túnicas e afins para que se fizesse notados sem que necessariamente fossem reconhecidos.No entanto é premente uma constatação. Presumindo que a brincadeira “gostosuras ou travessuras”, nos Estados Unidos, date apenas a partir da década de 1930, é incerto formar um conceito constituindo uma analogia, um processo de afinidade direta entre o costume druídico de usar dissimulação e a tradição anual de se fantasiar no halloween. Posto que de fato há um apanhado de indícios que demonstrem que mesmo coincidentemente, pedir doces de porta em porta, bem como o hábito de adotar disfarces, caminham lado a lado e parecem sim beber da mesma fonte de ideias, mesmo a influencia não sendo devidamente comprovada.

Já a tradição da lanterna feita de abóbora, recortada nos moldes de um rosto nasceu das crenças celtas no período da baixa idade média. E para variar, o motivo só poderia ser um só, dissuadir as entidades nefastas. A fábula diz que a “cabeça de abóbora” era a lanterna de um vigia que se entretinha promovendo trotes com conteúdo envolvendo Deus e o demônio. Por essa razão foi amaldiçoado a carregar sua lanterna por toda eternidade, a fim de iluminar o percurso ao mundo dos espíritos.Também se tem notícia de outras abordagens, nesse caso distinta da primeira, sendo que a prática é nada mais que um antigo símbolo que representa uma alma penada. Certo mesmo é que os imigrantes irlandeses trouxeram para a América a maior parte das tradições do dia das bruxas, incluindo a da cabeça de abóbora.

Halloween como proposta pedagógica

Gostosuras ou travessuras? Anos atrás era uma pergunta bastante comum, hoje cada vez mais presentes nas salas de aula, embora aparente ser utilizada sem qualquer critério. Prevalece a indagação: em que situação o halloween pode ser utilizado de um modo autêntico ou mais próximo disso nas salas de aula? No dia 31 de outubro algumas escolas brasileiras celebram o Halloween. As crianças, sobretudo do ensino infantil, fantasiadas brincam de Trick or treat (doces ou travessuras), trocando doces com seus colegas. Será que elas sabem exatamente o que comemoram? Até que ponto é relevante as crianças participarem de uma manifestação cultural estrangeira fora do seu contexto usual?Não é absurdo afirmar que comemorar por comemorar – com perdão da redundância – muitas vezes sim ocupa tempo de aulas muitas vezes importantes e acabam em nada acrescentando na formação estudantil das crianças. Inda assim, é passível de crítica atestar que não se deve celebrar uma data na escola que não represente nada para a realidade do aluno. É imprescindível explanar a origem do surgimento da comemoração, o desafio é contextualizá-la para que criem uma identificação, estabelecendo assim uma espécie de sentido.

Limitar a comemoração a disciplina de Língua Britânica parece uma alternativa até razoável. Como também explicar a questão da influência de outras culturas graças à imigração e à globalização. É necessário apresentar as crianças, as diferenças culturais entre os vários países e até discutir sobre o choque cultural. É preciso ter cuidado, com respeito às atenções no mês de outubro para o “Dia das Bruxas” e lembrá-las que, esta data não faz parte da nossa história e tradição. Em 2005, o Governo do Estado de São Paulo, decretou o Dia do Saci, o mesmo dia 31 de outubro. Isso mostra o intuito de valorizar a cultura brasileira e tentar refrear a americanização, uma vez que, o Saci é um símbolo do nosso folclore.

O próprio processo histórico já resulta em aprendizado, porém é com o uso da língua que é possível atingir novas diretrizes. Nestas festividades, são preparados pratos especiais como pães de aveia, pão doce holandês com passas, manjar escocês de aveia, pudim de batata, entre outros. Existe também uma vasta questão de decoração e personagens, são diversos adereços e tudo isso quando bem desenvolvido pode culminar em uma única dádiva: a aprendizagem.

É impossível imaginar, além do conteúdo histórico, o conjunto de vocabulários que se pode aprender com o halloween, mediante o uso de música, filmes e a cultura em geral. Entretanto, existe um medo ou receio generalizado que as raízes sejam sucumbidas e padeça perante a foice do cavaleiro negro com cabeça de abóbora, o que não sabem é que Saci-Pererê é esperto demais para facilmente ser vítima desse mal. Com criatividade é possível conciliar as duas culturas, abordando o mundo de fantasia que as compõem, pois o contato com outras culturas é muito importante para a formação das crianças.

29 Coveiros:

Suzy Carvalho disse...

queria q os halloween's aqui no brasil fossem como eh fora, mais empolgado, as pessoas se empenham mais, decoram a casa, e talz, eh mais legal =)

sosacaesosac disse...

legal o seu blog
bem macabro '-'

se cuida ;*

Rafa Flori disse...

Texto ótimo, apesar de estar grande é leve e divertido, gostoso de ler, um ótimo material de pesquisa!

Adalberto Mota disse...

Rapaz muito macabro o seu blog! Botava féde o halloween aqui no brasil ser mais empolgado também!

Bruuh ;D disse...

adooro halloween :D muito bom o seu blog !


http://copiagaspar.blogspot.com/

Raul disse...

Putzz eu sempre tive vontade de participar do halloween e nunca soube que a origem tava na Europa kraaa!

Tascio disse...

acho que o blog poderia ter um ar de mais macabro (não leve isso como uma critica) mas enfim, o texto ta mto bom...é bem legal saber de todas as origens do halloween (nunca escrevo isso certo)

Rafa Flori disse...

Poxa mais macabro do que já é? De qq forma né Rafa n é um blog de terror, lkkk

Manolo disse...

Fico imaginando como é o halloween nos EUA... sera como nos filmes? Porque aqui no Brasil é um saco... D:

Lara Veiga disse...

Nossa qt tempo distante desse belissimo blog! Lindo texto como sempre, pra variar!

Luiz Brisa disse...

pow interessante,
legal saber
so acho q devia ter feito em partes mas ta otimo
xD
seguindo
xD

http://vagalnerdkawai.blogspot.com/

Thamyzinha Iwasaki disse...

halloween quem derá q tivesse por aqui,fantasias monstruosas,docinhos nas portas...

zueras nas ruas...

espero esse dia chegar é outubro né!

marley disse...

Bom texto kra, adorei!

Victória Andressa disse...

Hoje em dia esse tipo de pensamento que o sol abaixava no inverno porcausa de espiritos e etc parece absurdo porque tempos a tecnologia e a ciência, agora de que outra forma eles iriam explicar?
Obrigada por sua contribuição cultural, aprender é sempre bom.
Adorei o blog, parabéns!

the_k disse...

cara muito massa ^^
É incrível ver de onde as coisas vem *--*

O diário da Garota de Várias Faces disse...

hum.... eu ñ gosto mto desse tipo d blog, pah mim terror soh nos filmes... gosto d ler coisas mais realistas, ler terror gogo not...
mas msmo assim tah valendo ;D
blog mto diferente d todos ki jah vi ;D
abçs

http://www.diariodagarotadevariasfaces.blogspot.com/
(sigo quem me segue e retribuo comentários)

Saumensch. disse...

Realmente o texto me surpreendeu. Nunca pensei que 'por trás' do halloween tivesse toda essa historia. Impressionante. Muito - muito mesmo - bom o texto, bem explicativo e cultural.
adorei, vou seguir o blog.
Parabens, sucesso.

rafa flori disse...

"hum.... eu ñ gosto mto desse tipo d blog, pah mim terror soh nos filmes... gosto d ler coisas mais realistas, ler terror gogo not..."

Desinformada, nem leu direito o texto, putzz, tem nada de terror ai, tudo é real, kkkk

Arthur D'mello disse...

sanou todas minhas dúvidas,
a cultura céltica é muito rica em seus ritos,
daí ser comemorado fortemente em países de origem britânica. Mas aqui no Brasil ningm sai as portas eu creio rsrsr

Luiz Brisa disse...

o post ta bem legal
o video tbm eh bom
xD

Dantas Dalella disse...

concordo com o Rafa Flori, apesar de grande o texto eh leve, muito bom de se ler, eu sabia que a maçonaria tinha alguma coisa a ver com a maçonaria, hauuhahua

Leticia disse...

Mto bom o textooo... eu não sabia das origens do halloween...mas vivendo e aprendendo né.rs
O blog tá ótimooo...Parabénsssssssss!!!

Mabell GR disse...

Que máximo, ótimo texto. Parabéns.

Abraço.
passa lá:
http://justbell.blogspot.com/

Rodrigo Celi disse...

sou historiador
e adorei essa história
vc explicou muito bem
vou voltar aqui sempre
abraços

O Judeu Ateu disse...

è legal saber dessa história, mas mesmo assim ainda não vejo sentido nenhum em ter o Halloween no Brasil, se é pra apresentar novas culturas então passemos a comemorar o Ramadã(é assim?).

Vinícius Félix Pacheco disse...

curti teu blog parabens!

[b]http://www.cuchila.blogspot.com
Antônio Nunees!!!

Caio Gomes disse...

é bom saber a origem da história!
parabéns pelo Blog, tá demais!!!

seguindo já!
passa lá no meu qndo tiver um tempinho...
.
http://deixakieto.blogspot.com/
.
Postagem sobre o ultimo jogo do brasil e sobre o momento bad-boy do Kaká!

Diario Astral disse...

Interessante conhecer a historia do Halloween.

Engraçado que hoje buscamos muito o contato com os mortos rs, e eles fazendo de tudo para distanciar, era fogueira, era sacrificio, enfim, medo das maldicoes :D

Bjs
Diario Astral

Anônimo disse...

LOL ESTA FIXE

Postar um comentário

________________________________________________________
Obrigado por visitar o nosso Cemitério...
Volte logo, haverá sempre uma tumba bem quente disponível para você...
________________________________________________________